Saltar para o conteúdo
Vídeo

Shots In The Dark: Silence on Vaccine

Vaccine Damage Payment

If you’re severely disabled as a result of a vaccination against certain diseases, you may be able to get a Vaccine Damage Payment. This is a one-off tax-free payment of £120,000. Find out more about Vaccine Damage Payment including how to claim.

Who can claim Vaccine Damage Payment

You may be able to get a payment if you’re severely disabled and your disability was caused by vaccination against any of the following diseases:

  • diphtheria
  • tetanus
  • pertussis (whooping cough)
  • poliomyelitis
  • measles
  • mumps
  • rubella (German measles)
  • tuberculosis (TB)
  • haemophilus influenzae type B (HIB)
  • meningococcal group C (meningitis C)
  • pneumococcal infection
  • human papillomavirus
  • pandemic influenza A (H1N1) 2009 (swine flu) – up to 31 August 2010
  • smallpox – up to 1 August 1971

You may have had a combined vaccination against a number of the diseases listed. For example, you might have been vaccinated against DTP (diphtheria, tetanus and pertussis) or MMR (measles, mumps and rubella).

You may also be able to get a payment if you’re thought to be severely disabled because either:

  • your mother was vaccinated against one of the diseases in the list while she was pregnant
  • you’ve been in close physical contact with someone who’s been vaccinated against poliomyelitis with vaccine that was given orally

What counts as ‘severely disabled’

Disablement is worked out as a percentage, and ‘severe disablement’ means at least 60 per cent disabled. This could be a mental or physical disablement.

For example, total loss of sight or hearing is usually counted as 100 per cent.

When and where the vaccination must have taken place

To be eligible for Vaccine Damage Payment, you must normally have been vaccinated before your 18th birthday. This does not apply if the vaccination was during an outbreak of disease in the UK or the Isle of Man, or it was against:

  • poliomyelitis
  • rubella
  • Meningococcal Group C
  • human papillomavirus
  • pandemic influenza A (H1N1) 2009 (swine flu)

The vaccination must have been given in the UK or the Isle of Man.

If the vaccination was given outside the UK, you may get a payment if you were vaccinated as part of Armed Forces medical treatment.

When to claim

If you’re claiming on behalf of a child, you must wait until they’re at least two years old.

The claim must be made by whichever is the later of the following dates:

  • on or before the disabled person’s 21st birthday (or if they’ve died, the date they would have reached 21)
  • within six years of the date the vaccination took place

How much do you get

The amount is £120,000, tax free.

How Vaccine Damage Payment is paid

You’ll get payment direct to you or, if you’re under 18 or can’t manage your own affairs, payment will be made to trustees.

If you live with your family, your parents may be appointed as trustees.

All benefits, pensions and allowances are paid into an account. This is the safest, most convenient and efficient method of payment.

Effect on other benefits

Your Vaccine Damage Payment can affect other benefits and entitlements like:

  • Income Support
  • Income-based Jobseeker’s Allowance
  • Working Tax Credit
  • Child Tax Credit
  • Pension Credit
  • Housing Benefit
  • Council Tax Benefit
  • Employment and Support Allowance

The effect the payment will have depends on a number of things. This includes the payment being put into a trust and the payments being made from it.

You should let the office that deals with your benefit or tax credit claim know if you’ve got a Vaccine Damage Payment. They will then be able give you more information.

How to claim Vaccine Damage Payment

You can contact the Vaccine Damage Payments Unit to ask for a claim form:

Vaccine Damage Payments Unit
Palatine House, Lancaster Road
Preston, PR1 1HB

Telephone: 01772 899 944

Textphone: 0845 60 45 312

You can also use Text Relay.

Lines are open 8.30 am to 5.00 pm, Monday to Thursday and 8.30 am to 4.30 pm, Friday

Or download a claim form to print off and fill in.

If you’re under 18, your parent or guardian should claim on your behalf.

What happens after you’ve sent off the claim form?

Once your claim has been received, the Vaccine Damage Payments Unit will get medical evidence from the doctors or hospitals involved in your treatment.

A claim will be successful if it’s accepted that:

  • your disablement was caused by vaccination
  • the level of your disablement that can be directly attributed to the vaccination is at least 60 per cent

The result of the claim will be given to you in writing.

How to appeal

If you disagree with the decision of the First tier Tribunal you can ask for the decision to be looked at again. You can ask the Vaccine Damage Payment Unit, or you can request an appeal to the Upper Tribunal.

If your claim is turned down and you disagree with the decision, you can ask for the decision to be looked at again. You can ask the Vaccine Damage Payments Unit, or you can appeal to an independent First-tier Tribunal.

If you think that relevant information has not been taken into account you can ask for the decision to be looked at again. You can also ask if new information becomes available. The decision will be looked at by the Vaccine Damage Payments Unit.

Source: Directgov

Dengue: Farmacêutica Quer Usar Povo Brasileiro Como Ratos de Laboratório

Dr. Roberto Giraldo, médico infectologista, imunologista e psicossomaticista

Recentemente foi anunciado pela mídia que a empresa farmacêutica francesa “Sanofi Pasteur” tenta fazer um contrato com o governo do Brasil para testar em humanos (30 mil brasileiros) uma vacina contra a dengue que nunca foi usada em nenhum país.

A mídia informou que “multinacionais buscam locais onde possam compensar seus investimentos. O Brasil, portanto, seria perfeito: no país a doença é endêmica e, ao contrário da África, possui recursos para a vacina.” (www.estadao.com.br/estadadehoje/20110222/). Como se vê, trata-se de interesse  comercial e não de saúde. É bom saber que o Japão proibiu as vacinas precisamente da empresa francesa “Sanofi” depois de elas causarem 4 mortes de crianças (www.naturalnews.com/031616_vacines_Japan.html).

Os médicos e cientistas mais esclarecidos em muitos países sabem que as vacinas são uma das piores e mais nefastas consequências da “Teoria Germinal” de Louis Pasteur (1822-1895). Esta predica que as enfermidades vêm de fora do ser humano, de vírus, bactérias, fungos e parasitas, e não do “meio interno” do indivíduo, como, no final do século XIX o grande médico francês Antonio Béchamp (1816-1908), defendeu com valor e coragem na Academia de Ciências da França. Não só este médico contrariou Pasteur, sustentando a origem interna das doenças, mas também Claude Bernard (1813-1878), concluiu que “o terreno explicava tudo”, que a pessoa deve ter um terreno ou estado interior fraco antes de aparecer qualquer doença.

É aceito cientificamente que só uma em cada 100 pessoas picadas por mosquitos infectados com vírus desenvolve uma doença viral; para isso, tem de estar previamente debilitada e imunossuprimida, do contrário, é impossível desenvolver a dngue ou qualquer outra enfermidade infecciosa: esta é a lei fundamental da infectologia. A simples intuição e o sentido comum ensinam que quem é forte, não adoece! Portanto, a prevenção consiste em fortalecer a população, e isso não se faz com drogas ou vacinas, mas com boas condições de vida, não apenas materiais, mas psicológicas e sociais.

Norberto R. Keppe, criador da Psicanálise Intregral,  mostra em seus mais de 30 livros como as enfermidades psíquicas, orgânicas e sociais têm origem nos desequilíbrios emocionais – na psicopatologia – das pessoas, afetando toda a sociedade, que depois adoece também os indivíduos. A dengue não é exceção (www.trilogia.ws). As pessoas em bom estado de saúde, equilibradas psíquica, orgânica e socialmente, não podem ser atacadas por micróbio algum e nem pelo vírus da dengue. Pensar, portanto que a origem das enfermidades está nos agentes infecciosos externos, deixando de lado o interior do ser humano é a pior inversão da medicina moderna.

O ser humano debilitado e imunossuprimido, que é o mais importante requisito para desenvolver uma doença infecciosa, precisamente no caso da Dengue, ele não é tratado de forma adequada; toda a ênfase é posta no externo, em evitar criadouros de mosquitos, em matá-los com inseticidas e evitar picadas com repelentes, com resultados obviamente insatisfatórios e, mais do que isso, perigosos e danosos. Inseticidas, repelentes, medicamentos e vacinas, todos tóxicos, dão lucros apenas às farmacêuticas, não importando o dano às pessoas. São atos  contra o conhecimento científico, por esse motivo nocivos à saúde pública.

As autoridades brasileiras devem ficar de sobreaviso e estudar estes pontos de vista antes de permitir que o povo brasileiro seja usado como rato de laboratório. Vamos reduzir o estresse do povo do Brasil, facilitar sua vida econômica e social, fornecer-lhe alegria de viver, dar-lhe boa alimentação, vestuário e teto, trabalho e educação (conscientização), artes e cultura, sobretudo difundir a verdadeira ciência da psico-sócio-patologia no seio da população - esse é o caminho psicossocial para a prevenção erradicação das moléstias e para o desenvolvimento do país.

OMS preocupada com narcolepsia em crianças vacinadas contra H1N1

G1 /  Ambiente Brasil

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou que precisa investigar de maneira mais detalhada o aumento do risco de narcolepsia entre as crianças vacinadas contra o vírus da gripe H1N1, observado em vários países.

“Desde agosto de 2010, depois de uma vacinação ampla contra a gripe H1N1 de 2009, constatamos casos de narcolepsia, em particular entre as crianças e adolescentes, em pelo menos 12 países”, explica a OMS em um comunicado.

Os casos foram mais frequentes na Suécia, Finlândia e Islândia, segundo a organização, que fez o anúncio uma semana depois das autoridades finlandesas terem revelado suspeitas de que a vacina Pandemrix do laboratório GlaxoSmithKline (GSK) teria contribuído para a multiplicação súbita de casos de narcolepsia entre crianças e adolescentes do país em 2009 e 2010.

O Instituto Nacional Finlandês para a Saúde (THL) reconheceu que eram necessários estudos mais profundos para comprovar a suspeita, mas completou que “a associação observada era tão evidente que seria improvável que outros fatores, ditos colaterais, pudessem explicar o fenômeno”.

A narcolepsia, ou doença de Gélineau, é um problema neurológico pouco comum que consiste em ataques de sono irresistíveis que acontecem de repente e com um cansaço extremo.

Em 2009-2010, os médicos finlandeses diagnosticaram casos de narcolepsia em 60 crianças e adolescente com idades entre quatro e 19 anos, o que representa um número quase três vezes maior que nos dois anos anteriores.

Em quase 90% dos casos (52), as crianças foram vacinadas com o Pandemrix, que foi injetado em mais de 90 milhões de pessoas em 19 países durante a campanha de vacinação contra a gripe H1N1, segundo o THL.

O Comitê de Consulta sobre a Segurança das Vacinas (GACVS) da OMS estudou a questão e considerou que é necessário executar novas investigações a nível global.

“O Comitê concordou que são justificadas investigações mais avanças sobre a narcolepsia e a vacinação contra a gripe H1N1 com Pandemrix e outras vacinas contra o vírus declarado a primeira pandemia do século em junho de 2009″, explica o comunicado da OMS.

A questão não afeta, segundo a agência da ONU, as vacinas clássicas contra a gripe comum ou outras doenças utilizadas no passado. 

Fonte: http://noticias.ambientebrasil.com.br/clipping/2011/02/09/66203-oms-preocupada-com-narcolepsia-em-criancas-vacinadas-contra-h1n1.html

La Vacuna del Tetanos…Una Gran Estafa y Pura Leyenda

A día 6 de octubre de 2010, en Girona, dentro de la Semana Internacional de las Víctimas de las Vacunas, ha habido una interesante intervención, de la doctora Françoise Joët, procedente de Francia, y miembro del grupo http://www.aliss.asso.fr, sobre investigación e información en vacunas.
La sala se ha llenado, y con mucho interés, hemos recibido su didáctica conferencia.

Mis apuntes/resumen, serían estos:

-Ya no se habla de la vacuna del tétanos, parece como que es inofensiva, indispensable, benefactora, e incuestionable. Totalmente FALSO.
- Está basada en mentiras, negocio, y muy mala información, incluso en las personas que están trabajando en sanidad.
- Nos hemos quedado con el “terror” de lo que podría ser sufrir esta enfermedad, y no sabemos nada sobre ella, y al mínimo corte o herida, nos la van a poner y no oponemos resistencia, ni pedimos información. Y si lo cuestionamos al personal médico, se lo toman como una ofensa, y puede pasar de todo, que nos amenacen, que nos discutamos, etc. Creen que es la “panacea”, ya que les han enseñado así, y hasta que no se lo cuestionen, están “agarrados” a su creencia.
- No sirve absolutamente para nada esta vacuna.
- Es una ESTAFA, porque:
Su única experimentación, fue en 1923, en un grupo de conejos, y ya se aprobó su administración masiva. En Francia, en la guerra, se usó militarmente, con el pretexto de la protección de los soldados. Eso ayudó al mito de la necesidad de ella para todo el mundo. Por supuesto, que los casos de afectación post-vacunales, han quedado en el olvido…, y la historia la escriben los vencedores, en aquella época, el poder dominante, militar, político, y los que están “en la sombra”…
- Con el Cloruro de Magnesio, gran anti-infeccioso, se podría curar el tétanos, y otras muchas enfermedades, y es baratísimo. Pero no interesa promover el conocimiento de esto. Las autoridades en su momento lo supieron, pero no les interesó para nada, y promovieron el negocio de esta vacuna.
- Es una vacuna barata de producir, pero como se vende mucho, es un gran negocio, y sirve para aumentar el mito de que las vacunas son necesarias, y grandes preventivas de enfermedades.
- No podemos generar inmunidad, ya que no podemos fabricar los anticuerpos para protegernos. Es decir, que podríamos repetir la enfermedad muchas veces, si se dieran las condiciones, por lo tanto, no sirve de nada la vacuna.
- En momentos de infección, la vacuna tampoco inmuniza, ya que van por diferentes sitios los gérmenes. La vacuna iría por la sangre, y los gérmenes infecciosos irían por el sistema nervioso.
- Lleva aluminio, metal altamente tóxico, y dificilísimo de eliminar, durante años podemos llevarlo dentro, y afecta al cerebro, entre otras partes. El mercurio ya no se usa, pero sí en los procesos de fabricación, por lo que podría llevar trazas el fármaco.
- Hay muchos efectos secundarios, miles, pero quedan en nada, porque la gente no lo comparte, y si lo dicen, el sistema sanitario se lava las manos rápidamente, y se inventan cualquier cosa para no asumir responsabilidades nadie.
-Vacunar… Nada que ver con la salud… ¡Es un negocio!
—————————————————————–

Comentarios más detallados y datos:

El tétanos es una enfermedad infecciosa, NO CONTAGIOSA. ¿Porqué vacunar entonces?, ¿porqué tanto miedo? El desarrollo de la enfermedad, va ligado a un bacilo, que está en toda la naturaleza, sobretodo, excrementos animales.

El proceso de la enfermedad del tétanos, requiere de una herida, o corte, que quede en zona SIN OXIGENO, y entonces allí se puede desarrollar el bacilo, y liberar una toxina, y crecer, en un ambiente ANAEROBIO. Sólo en ese ambiente puede darse la enfermedad, que se notará muscularmente, con tensión constante, y dificultad de relajación. La toxina sólo circula por los nervios, es imposible que la toxina circule por la sangre, ya que hay oxígeno en ella. Esta toxina, es buena, es para limpiar el ambiente, pero al contactar con el sistema nervioso, da órdenes de no contracción, y el resultado, es bloqueos musculares, e imposibilidad de controlarnos.

Con el cloruro de magnesio se mejora rápidamente, pero hay que hacerlo muy bien, y conocer el tema.

En Francia, hay unos 20 casos de tétanos al año, con un 30% de muertes, que se dan principalmente en personas mayores de 70 años. Esto también hay que tener en cuenta, que serían personas ya debilitadas, y que han tomado a lo largo de su vida fármacos y vacunas, y más a esa edad, con lo cual, están muy débiles.

Son muy raros los casos en niños. Todos los casos de tétanos en niños, están ligados a un nacimiento poco higiénico, y un corte de cordón umbilical mal hecho, o con utensilios sucios.

La vacuna, nos permite desarrollar la enfermedad a baja escala, y provocar anticuerpos, pero los anticuerpos viajan por la sangre, donde hay oxígeno, y sería imposible desarrollar el tétanos con ambiente de oxígeno. ¿Qué sentido tiene esto? La toxina sólo va por el sistema nervioso, en caso de desarrollarse.

Las personas de edades de alrededor de los 60 años, que mueren siendo jóvenes todavía, de ataques de corazón, o muertes súbitas, podría ser por las vacunas acumuladas a lo largo de su vida, especialmente a esas edades, que están más débiles, y encima, reciben más fármacos, y vacunas. Es una hipótesis que no hay que desestimar.

Si sufrimos heridas o cortes, sobretodo limpiar bien, hasta lo más profundo, que es en esas partes profundas, donde quedaría el riesgo del desarrollo del tétanos, por suciedad, coagulación, oxígeno cero, y debemos eliminar este riesgo. El agua oxigenada sería buena para esto.

————————————————————-

Conclusiones:

-No puede haber inmunidad, porque no fabricamos anticuerpos, la vacuna NO INMUNIZA. Ni tan sólo en momentos de heridas, ya que la vacuna iría por la sangre, y los gérmenes peligrosos irían por el sistema nervioso.

- Esta vacuna del tétanos, no sirva absolutamente para nada, y forma parte de un gran negocio. Hay muchos intereses en que esto continúe así, y ayudar al mito y leyenda de que las vacunas han salvado muchas vidas, y son inofensivas.

- Lo más importante es ejercer el derecho a estar informados, como ciudadanos, y los médicos tienen una gran responsabilidad, en el momento de recetar o introducir fármacos, y podrían ser más responsables, y competentes, e informar bien a sus pacientes, de qué van a introducir. Y sobretodo, respetar al ciudadano que quiere información, o no desea ser vacunado.

-Todas las vacunas dejan residuos, durante años, sobretodo por los metales pesados. Quien hayamos recibido vacunas en el pasaso, seguro estamos afectados, y debemos considerarlo, e intentar desintoxicar al máximo.

PD: En España, médicos y enfermeras, reciben comisiones “por objetivos” de cantidad de vacunas administradas, 3000 euros las enfermeras, y 6000 euros los médicos. Dato interesante, aportado por Xavier Uriarte, presidente de la Liga para la libertad de vacunación.

——————————

Más información ver el video : Vacuna del tétanos – Françoise Joët, ver aquí: http://vimeo.com/4596143

La web de la liga, aquí: www.vacunacionlibre.org, donde hay mucha más información y videos de vacunas y salud.

Pere Ardevol
Equipo Mizar de reporteros ciudadanos

www.equipomizar.blogspot.com

buckipetrus@gmail.com
6 de octubre de 2010, Girona

Millions of Chinese oppose mass vaccination plan

Jonathan Benson, staff writer

(NaturalNews) The World Health Organization is at it again trying to push mass vaccinations, this time on the people of China. But its efforts to “eradicate measles” by vaccinating 100 million Chinese children have fueled widespread protest by Chinese citizens who not only distrust their own government’s health recommendations, but also believe that the vaccines are dangerous.

According to the Boston Globe, the Chinese government recently announced a ten-day measles immunization drive that sparked an outcry from concerned citizens over the safety of the vaccines. According to reports, internet bulletin boards have been overflowing with chatter about the campaign, and countless text messages continue to be exchanged among citizenry about potential dangers from getting the vaccine.

The Chinese government has been working in overdrive to quell the public’s concerns, but efforts have been futile. The totalitarian government already has a poor reputation for lying to and deceiving its citizens over things like the severe acute respiratory syndrome (SARS) outbreak back in 2003, and the milk contamination fiasco that sickened roughly 300,000 babies and killed at least six a couple years ago.

“The lack of trust toward our food and health products was not formed in one day,” explains a piece in the Global Times. “Repairing the damage and building credibility will take a very long time. The public health departments need to take immediate action on all fronts.”

But adjusting rhetoric and designing new public relations campaigns will hardly pull the wool over the eyes of the millions of Chinese who know good and well what their government is up to.

Back in March, four children were killed and dozens injured from vaccines for encephalitis, hepatitis B and several other diseases. The Chinese health ministry denied that the illnesses and deaths were related to the vaccines while simultaneously admitting that they were improperly stored.

Sources for this story include:

http://www.boston.com/news/health/articles/2010/09/13/national_measles_vaccination_plan_sparks_outcry_in_china/

Source: http://www.naturalnews.com/029739_chinese_opposition_mass_vaccination.html

Finlândia suspende vacinação contra H1N1 após vacina ser associada com aumento de narcolepsia

Instituto Nacional de Saúde e Bem-Estar da Finlândia(THL) suspendeu o uso da vacina H1N1 em meio a temores de que a vacina está relacionada com um aumento de 300 por cento nos casos de narcolepsia, doença neurológica em crianças e jovens ao longo dos últimos seis meses.

A notícia certamente irá desencorajar ainda mais pais e mães de vacinar seus filhos nos próximos meses, agora que a vacina da gripe suína será combinada com a vacina da gripe sazonal comum.

A narcolepsia é um distúrbio neurológico que pode ser desencadeado por um vírus. “Um paciente que sofre de narcolepsia pode adormecer de repente, por exemplo, enquanto fala ou come sem nenhum aviso prévio. Seus músculos também podem enfraquecer de repente, fazendo com que colapsem de repente. Não há nenhuma cura conhecida para a doença”, relata o site de notícias. finlandesa YLE.

“O Instituto Nacional de Saúde e Bem-Estar da Finlândia decidiu nesta terça-feira recomendar para que a vacinação contra a gripe suína com a vacina Pandemrix, produzida pelo laboratório GSK, seja suspensa até que se prove ou não que a vacina é a causa do surto de casos de narcolepsia entre crianças e jovens”, relata o maior jornal da Finlândia Helsingin Sanomat.

A narcolepsia é um distúrbio muito raro, mas 15 novos casos da doença surgiram em jovens e crianças desde Dezembro na Finlândia. “Há uma correlação clara entre o tempo os casos e as vacinas da gripe suína”, relata o Helsingin Sanomat. O jornal reporta ainda que diversos casos não confirmados estão sendo estudados. Um número surpreendentemente elevado de casos de narcolepsia também surgiram na Suécia, na sequência do programa de vacinação H1N1.

Pekka Puska, diretor-geral da THL, disse que a suspensão permanecerá em vigor até que a potencial ligação entre a vacina e os casos de narcolepsia seja adequadamente investigada.

De acordo com a Kari Lankinen, médico-chefe da Agência de Medicina finlandesa, os médicos foram cúmplices em esconder a relação entre a vacina contra a gripe suína e narcolepsia e o fizeram para progredir em suas carreiras.

“Lankinen suspeita que o motivo para o silêncio era a preocupação dos médicos sobre os seus próprios objetivos profissionais – como terem seus artigos publicados em revistas médicas internacionais. Os médicos que fizeram as observações nos últimos meses agora trabalham com o Instituto Nacional de Saúde e Bem-Estar (THL)”, relata YLE.fi.

No total, cerca de 750 finlandeses experimentaram efeitos colaterais após tomarem a vacina H1N1, de acordo com o Helsinki Times.

A notícia de ainda mais efeitos colaterais após a campanha de vacinação contra gripe suína deve enviar outro sinal de alerta para pais e mães de todo o mundo que estão planejando vacinar seus filhos contra a gripe sazonal neste outono (hemisfério norte).

Ambos a FDA e a OMS recomendaram que a vacina contra o H1N1 fosse incluída na próxima vacina sazonal, e departamentos de saúde dos EUA e na Europa, tanto quanto do Brasil, estão combinando as vacinas.

Como informamos no início deste ano, a investigação do presidente do sub-comitê de saúde do Conselho Europeu, Wolfgang Wodarg, sobre o surto de gripe suína de 2009, descobriu que a pandemia era um falso embuste fabricado por empresas farmacêuticas em conluio com a OMS para criar grandes lucros, pondo em perigo saúde pública.

Wodarg disse que os governos foram “ameaçados” por grupos de interesse especial dentro da indústria farmacêutica, bem como pela OMS para comprar as vacinas e injetar suas populações sem qualquer razão científica razoável para fazê-lo, e ainda em países como Alemanha e França, apenas cerca de 6% tomou a vacina, apesar de ter quantidade o suficiente para cobrir 90 por cento da população.

Wodarg disse que “não há outra explicação” para o que aconteceu fora o fato de que os que trabalhavam em conluio com a indústria farmacêutica fabricaram o pânico, a fim de gerar grandes lucros.

Ele também explicou como as autoridades de saúde já “estavam à espera que algo acontecesse” antes de a pandemia começar e depois explorou o vírus para seus próprios propósitos. Outro renomado epidemiologista, Tom Jefferson, é da mesma opinião.

Ambas as vacinas contra a gripe H1N1 e sazonais têm sido associadas com um número de diferentes efeitos colaterais em todo o mundo, incluindo a síndrome de Guillain-Barré, bem como a distonia, uma doença neurológica paralisante.

A vacina contra a gripe sazonal também tem sido associada com convulsões em menores de 5 anos. A vacina foi suspensa na Austrália para crianças menores de 5 anos.

No Brasil atê hoje não foram divulgados os dados sobre efeitos adversos associados a vacina, numa clara tentativa de burlar a população a acreditar que a vacina é segura.

Como divulgamos aqui meses atrás, a própria Anvisa reconheceu que não se conhecem até agora todos os efeitos adversos da vacina, em uma nota relacionada com a polêmica sobre o falso positivo para testes de HIV após vacinação contra o H1N1. Da mesma forma, até agora não foram divulgados o teor dos contratos com os laboratórios farmacêuticos, que possivelmente continham cláusulas isentando os laboratórios por quaisquer danos causados pela vacina.

Eu estou de posse de novas informações sobre vários casos de paralisia após a vacinação, e irei divulgá-los assim que tiver mais detalhes e provas.

Em uma outra frente, irei contar o relato do que aconteceu comigo, quando desde abril tento obter do governo maiores informações sobre efeitos adversos. Fui tratado com arrogância e desprezo por funcionários do ministério da saúde, mostrando que a transparência deste governo dito democrâtico é apenas uma fachada. Estou considerando, juntamente com outras pessoas, entrar com uma denúncia direta ao ministério público para forçar a divulgação destas informações ao público.

Fontes:

YLE.fi: Minister Calls for Thorough Examination of Possible Link Between H1N1 and Narcolepsy
Helsingin Sanomat: HH1N1 vaccinations suspended over narcolepsy scare

Helsinki Times THL stops swine flu vaccinations
YLE.fi: Vaccine Expert: Doctors Withheld Narcolepsy Symptoms
Wikipedia: narcolepsia

http://fimdostempos.net/vacina-suina-narcolepsia.html

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.